Vencedor do Nobel de Química 2008 fala sobre o valor do prêmio

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Vencedor do Nobel de Química 2008 fala sobre o valor do prêmio

Mensagem  Andre Pinho em Ter 06 Out 2009, 05:27

Todos os anos, na primeira semana de outubro, um comitê de dignatários
em Estocolmo anuncia os Prêmios Nobel nas ciências. Os vencedores do
Prêmio Nobel de Química do ano passado foram Osamu Shimomura, Roger Y.
Tsien e Chalfie, pela descoberta e desenvolvimento da proteína
fluorescente verde (GFP). "Com a ajuda da GFP", disse o comitê,
"pesquisadores desenvolveram formas de acompanhar processos antes
invisíveis, tais como o desenvolvimento das células nervosas no cérebro
ou a disseminação de células cancerígenas". Conversamos com Chalfie, 62, no mês passado em seu escritório na
Universidade Columbia, onde chefia o departamento de ciências
biológicas. A seguir, uma versão editada e condensada de uma entrevista
de três horas: Chalfie estava dormindo quando tentaram avisá-lo que ele
havia ganhado um Prêmio Nobel, mas sua carreira foi repleta de
descobertas sobre alertas.

É verdade que o senhor perdeu a ligação informando que havia ganhado o Prêmio Nobel porque estava dormindo?
É verdade. Sabe, se você tem sorte o bastante de fazer um bom trabalho,
as pessoas fazem essa coisa terrível com você, começam a dizer: "Ei,
você talvez ganhe o Prêmio Nobel." Então, quando chega a primeira
semana de outubro, você perde um pouco do sono.Em outubro passado, não dormi bem na noite anterior quando anunciaram o
prêmio de medicina. Mas não houve nenhuma ligação. Eles anunciaram o
prêmio de química dois dias depois. Bem, naquela noite, ouvi um
telefone tocando à distância, mas presumi que era de um vizinho. Então, acordei dez para as seis da manhã seguinte e deduzi que outra
pessoa havia ganhado o prêmio de química. Assim, abri meu laptop e fui
para Nobelprize.org
conferir o otário que havia conseguido. E aí vi meu nome ao lado dos
nomes Osamu Shimomura e Roger Tsien. Eu era o otário! Acordei minha
esposa, Tulle: "Aconteceu." Ela disse, "O quê? Perdemos a hora para
levar nossa filha à escola?"
Depois, o telefone começou a tocar de verdade. Era uma repórter da AP
que disse estar na frente do nosso apartamento e queria tirar uma foto
de mim. Eu disse, "Estou de pijama." Ela replicou, "É exatamente a foto
que quero." Eu disse, "Mas você não vai conseguir."

O senhor é um biólogo. Está surpreso por ganhar o Nobel de química?
O
prêmio foi na verdade para a molécula. Em 1962, Osamu Shimomura
descobriu uma proteína em uma água-viva que a fazia ter um brilho verde
claro. Com meus colegas, 30 anos depois, consegui inserir esse gene GFP
em uma bactéria e fazê-la se tornar verde. Depois, isso abriu a
possibilidade de usar a GFP como um tipo de lanterna natural no
interior de animais e plantas, o que nos permitiria enxergar suas
células e partes. Roger Tsien avançou ainda mais ao criar uma palheta inteira de cores a
partir da GFP, o que nos dá marcadores que permitem observar ainda mais
processos enquanto eles ocorrem. A revolução é que agora podemos
assistir à vida em tempo real.

Como o senhor começou a estudar a GFP?
Na verdade me lembro do dia em que ouvi falar dela pela primeira vez.
Isso porque tenho um pedaço de papel cheio de anotações animadas que
fiz -25 de abril de 1989. Tivemos uma série de seminários aqui e o
neurobiólogo Paul Brehm era o palestrante convidado. Em sua introdução,
ele mencionou que Osamu Shumomura estava estudando essa água-viva, que
tinha uma proteína que libera uma luz verde quando você a irradia com
ultravioleta.Havia uma década que eu estudava um verme transparente, o C. elegans.
Imediatamente pensei, se pudesse colocar o gene GFP no C. elegans,
então conseguiria enxergar processos biológicos em animais vivos. Até
então, tínhamos que matá-los e preparar seu tecido quimicamente para
visualizar proteínas ou genes ativos dentro de células. Mas essa visão da vida era estática: queríamos ver a progressão de
eventos enquanto as células mudavam com o tempo. Eu estava muito
animado. Não consegui ouvir mais nada da palestra de Brehm depois
disso. Fiquei fantasiando sobre todas as coisas maravilhosas que
poderíamos fazer.Passei o dia seguinte tentando descobrir quem mais estava trabalhando
com a GFP. Douglas Prasher, como descobri mais tarde, estava tentando
clonar seu DNA: concordamos imediatamente em trabalhar juntos. Mas
depois, por causa de uma série de mal-entendidos, perdemos o contato.
Ele pensou que eu tinha largado a ciência. Em 1992, restabelecemos
contato e, um mês depois, usando um DNA que ele havia nos enviado,
inserimos a proteína na E. coli, que passou a ficar verde quando
jogávamos luz ultravioleta sobre ela. Fomos, então, capazes de fazer a
mesma coisa com a C. elegans.


Como o Prêmio Nobel mudou a sua vida?
O principal é que virei uma pessoa que é ouvida. As pessoas em geral
não ouvem muito os cientistas. Durante a coletiva de imprensa que a
Columbia organizou no dia em que vencemos, anunciei que estava
imediatamente assinando uma petição de laureados do Nobel em apoio a
Barack Obama para presidente; isso foi poucas semanas antes da eleição.
Na semana anterior, ninguém teria se importado para quem ia meu voto.Mas todo o resto é praticamente o mesmo. Sou o chefe de um departamento
de biologia e ainda preciso encontrar fundos e espaço para estudantes.
Ainda preciso me inscrever em bolsas para minha pesquisa, que são
avaliadas como a de qualquer outra pessoa. Ninguém no NIH (Institutos
Nacionais de Saúde) fala, "Ah, ele é um Nobel, deveríamos dar o
dinheiro a ele."

Por que o senhor acha que o governo Obama fez da pesquisa biológica
uma peça importante do pacote de estímulo econômico? Durante a Grande
Depressão, a WPA (uma agência governamental de investimentos criada por
Franklin D. Roosevelt) dava às pessoas trabalhos para pintar murais em
espaços públicos e construir postos de correio.

É porque a pesquisa biológica exige muito trabalho - isso é um programa
de empregos. Também há dinheiro para reformar laboratórios e comprar
novos equipamentos, o que cria empregos fora da academia. Os dividendos
aqui não estão embelezando espaços públicos, mas esclarecendo funções
biológicas, doenças e a agricultura. No meu laboratório, não nos inscrevemos para receber o dinheiro do
estímulo porque nosso financiamento regular ia ser renovado. Parecia
ser ganancioso se inscrever para os dois. Mas sei de três pessoas no
departamento cujo emprego foi salvo por causa do estímulo.

Voltando a seu Nobel, como o senhor se preparou para a cerimônia formal em Estocolmo?
Meu amigo Bob Horvitz, que ganhou o prêmio de medicina em 2002, tentou
me preparar. Ele disse, "Você vai a um ensaio antes da cerimônia e vão
lhe mostrar um vídeo de Paul Nurse (diretor da Universidade Rockfeller)
recebendo seu prêmio, porque querem mostrar o que você não deve fazer."Aparentemente, você deve caminhar até o rei, aceitar sua medalha,
apertar sua mão e então fazer reverência a ele e ao júri. Depois, você
faz reverência ao público. Paul fez isso, mas quando voltou a sua
cadeira, ergueu os braços à la Rocky e fez "Iiiisso!" Aparentemente,
eles não aprovaram essa conduta.Quando chegamos a Estocolmo, não nos mostraram o vídeo de Paul Nurse.
Na cerimônia, após reverenciar o rei, o júri e o público, vi minha
esposa e filha na terceira fileira e lhes joguei um beijo. Mais tarde,
em uma recepção, encontrei uma condessa Alice que nos disse, "Em todos
os anos que frequentei a cerimônia, nunca havia visto alguém fazer
aquilo!" Então agora, temo que passem a mostrar o meu vídeo como o
exemplo do que não se deve fazer.

No dia 5 de outubro, começam a anunciar os nomes dos Nobel 2009. O senhor tem algum conselho para eles?
O mesmo que recebi: aproveite.













Andre Pinho
Admin
Admin

Mensagens : 148
Pontos : 372
Reputação : 0
Data de inscrição : 26/03/2009
Idade : 32
Localização : Rio Grande

Ver perfil do usuário http://www.fnquimica.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum